Porto do Itaqui: desbravando os mares da inovação

Foto: Divulgação Porto de Itaqui

Para Deborah Baesse, Gerente de Comunicação e Inovação do Porto do Itaqui, existem três motivos principais que tornam a busca por uma cultura de inovação e o encontro com o CESAR e a CESAR School tão gratificantes. São eles:

  • Colaboração: a inclusão dos atores da comunidade portuária no olhar para os desafios e construção das soluções a partir de um processo coletivo e sistemático com organização e metodologia. 
  • Concretização: a possibilidade de criar ações mais tangíveis de inovação corporativa na empresa e no Porto do Itaqui. 
  • Desafios reais: trabalhar desafios que são próprios da EMAP, mas que ao mesmo tempo são inerentes ao setor público, como a contratação pública e os desafios que são comuns à cadeia logística como um todo.

Um mergulho no universo portuário

Portos funcionam como grandes condomínios, abrigando diversos stakeholders. A gestão de uma comunidade portuária, composta por um grande número de organizações e de agentes públicos e privados, em conjunto com empresas que prestam serviços relacionados a área portuária, exige a convergência de esforços de diferentes órgãos e autoridades. 

No Porto do Itaqui, integrante do Complexo Portuário de São Luís no Maranhão, quem funciona como a autoridade administradora é a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP). Ela atua com o foco na melhoria da qualidade e segurança dos serviços prestados aos clientes do porto e também na manutenção e melhorias da infraestrutura portuária. 

O CESAR emergiu no ambiente do porto para aprofundar o entendimento sobre as dores e os desafios enfrentados pela comunidade portuária. Através de uma pesquisa etnográfica de documentos setoriais, foram descobertas algumas convergências e divergências dentro da comunidade.

Em seguida foram realizados workshops que contaram com a participação de diversos stakeholders, pessoas da administração, da logística, das organizações, sindicato dos estivadores, clientes e também moradores das comunidades vizinhas ao Porto do Itaqui, pessoas que são diretamente influenciadas por tudo que acontece no. 

Através de práticas de design foram mapeados mais de 170 desafios que, em seguida, passaram por um processo de priorização com os stakeholders. A estratégia da EMAP foi utilizada como base para a definição dos critérios de priorização, selecionando 5 desafios para serem abordados na segunda fase do projeto.

Seguindo a rota das oportunidades

Com as oportunidades de inovação mapeadas, as equipes  das empresas que compõem o Porto do Itaqui e da EMAP, participaram de uma experiência “mão na massa” para aprofundar o entendimento sobre as dores e desafios, bem como idear e prototipar uma solução para eles. Ao longo desse processo, eles tiveram contato com diversos conteúdos, desde uma introdução ao que é inovação, até prototipação da possível solução encontrada para os seus desafios. Tudo isso com o apoio de facilitadores e mentores que auxiliaram no processo de aprendizado.  

Os stakeholders constroem seu conhecimento através da prática e se tornam aptos a usar as ferramentas e processos que contribuem para levar a experiência de inovação de uma maneira muito mais fluida e orgânica para o dia a dia das suas organizações. A partir da capacitação, os colaboradores e stakeholders tornam-se habilitados para disseminar o seu aprendizado e a cultura de inovação dentro de suas organizações, além de criar ideias para solucionar problemas reais do complexo portuário do Itaqui.

O processo foi tão valioso para todos os stakeholders que a EMAP, administradora do porto, optou por expandir o projeto para que também tivesse suas necessidades de melhoria interna atendidas, onde 3 oportunidades de inovação foram mapeadas.

Além dos resultados em si, um dos dos maiores ganhos é, sem dúvidas, a vivência do processo de buscar os melhores caminhos para encontrar soluções inovadoras. Levar a cultura de inovação como impulso à transformação  digital das diversas organizações que estão inseridas no ambiente do Porto do Itaqui uma das grandes conquistas do trabalho.

Gostou desse case?

Gostaria de entender como aplicá-lo à realidade da sua empresa? Fale com um de nossos consultores.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *