Tecnologia, uma aliada (às vezes invisível) por toda parte

Tecnologia, uma aliada (às vezes invisível) por toda parte

Um olhar atento sobre o mundo e você vai perceber que tudo – ou quase – está envolvido direta ou indiretamente com a tecnologia. É muito comum que setores produtivos dos mais diversos procurem artefatos ou conhecimentos tecnológicos para solucionar problemas, encontrar soluções para lidar com baixa produtividade, com melhoria da experiência do usuário, com questões climáticas ou sociais, citando algumas. A Tecnologia da Informação (TI) está em toda parte.

“Quando você chega à sessão de hortifruti de um supermercado, aparentemente, ali não tem nada a ver com TI. Alguém pode pensar que tenha algo a ver com engenharia genética, transgênicos, mas não com TI. Mas tem”, diz o engenheiro consultor do CESAR, Fábio Maia. Nessa cadeia que traz frutas e verduras até a prateleira, a TI é envolvida em várias etapas, do plantio ao consumidor final.

Maia explica que projetos transdisciplinares aplicam técnicas de TI em problemas apontados por empreendedores ou pesquisadores das mais diversas áreas. “Vem dessa ponta, de quem usa ou precisa da tecnologia”, explica. Os conhecimentos convergem para chegar a soluções.

Trabalho aliado

“Há o plantio mecanizado, semeadoras e colheitadeiras, muitas sem operador, dotadas de sensores que fazem o depósito da semente de forma controlada, na profundidade certa. Depois da colheita, os vegetais são transportados em containers que são instrumentados, também, com sensores eletrônicos que coletam dados do ambiente, da vibração, de como ocorre o transporte. Por trás de tudo isso, existe uma rede de sistema de informações logísticas para rastrear essas cargas até que elas cheguem ao destino final. Então, quando você pega uma maçã na prateleira, saiba que tem bastante TI envolvida para ela ter chegado ali”, narra.

Fotos aéreas, contadores de tempo, sensores com GPS são utilizados na irrigação são  outro exemplo de como a tecnologia é aplicada, com resultados práticos. Ambientes mais hostis para a agricultura, com escassez de recursos (problemas apresentados), precisam encontrar um manejo preciso da água, com cálculos de precipitação pluviométrica, temperatura do solo, índice de evaporação para que a irrigação seja eficaz sem desperdícios.

Um dos projetos desenvolvidos pelo CESAR que trabalha nessa função foi chamado de monitor de irrigação. O pivô central, sistema de irrigação instalado no meio da plantação, fica distante da sede da fazenda e existe dificuldade de observação do jato d’água e detecção de eventual problema que demande ajuste. Com o dispositivo desenvolvido, a informação é transmitida através de tecnologias sem fio (GSM e Rádio) para um data center, que disponibiliza completa visibilidade do funcionamento dos pivôs, além de permitir acionamento remoto do equipamento. O sistema também oferece alertas que são enviados de forma imediata via SMS e/ou e-mail em casos de mau funcionamento do pivô ou de problemas com o cabo de alimentação do braço da máquina. Confira mais sobre este case.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://www.cesar.org.br/wp-content/uploads/2018/08/IMG_9090-1.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 650px;}