CESAR Tech Meetups convoca interessados em Android para a regional do AM

CESAR Tech Meetups convoca interessados em Android para a regional do AM

A regional Manaus do CESAR promoveu, na noite desta terça-feira (25), a primeira edição do Tech Meetups, evento online que discutiu tecnologias ligadas à plataforma Android e seus usos embarcados. O objetivo da ação foi, além de promover o debate sobre o tema com interessados, captar talentos aptos a integrar o time do Centro no estado do Amazonas. 

As falas foram dos colaboradores do CESAR Felipe Travassos – que tratou sobre o uso de Databinding, de MVVM  e da aplicação do Kotlin para desenvolvimento de apps – e Victor Rattis, que falou sobre navegação no AOSP e “como isso pode te levar no próximo nível”. Também participou do Tech Meetups do Professor Doutor Jucimar Jr, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), falando sobre desenvolvimento de games para a plataforma Android.

Em sua explanação, Felipe explicou que o uso do Kotlin e do MVVM exige uma necessidade de organizar a arquitetura e algumas aplicações em desenvolvimento, “buscando uma melhor manutenibilidade e legibilidade do código”, alcançada justamente com o uso de design patterns como o MVVM. Já o Kotlin, relembrou Felipe, é a linguagem de programação anunciada pelo Google, em 2017, como sua linguagem principal para desenvolvimento Android.

“O Data Binding é uma biblioteca de apoio que permite vincular componentes de UI de layout ao código, no caso do MVVM, e também da view com o viewModel, deixando o código mais limpo e reativo”, continuou Felipe Travassos. Já o engenheiro de Software Victor Rattis relembrou que 37% das mais de 1 milhão de perguntas em Android estão sem respostas. “E o que fazer quando a sua está em uma delas? Que tal navegar no Android Studio?”, questionou Rattis.

Mercado de jogos

O professor Lucimar Junior, mestre e doutor pela UFPE, mostrou o quão rentável é, hoje, o mercado de jogos no mundo: a cifra estimada para 2020 é de US$ 143.5 bilhões. Como exemplo, usou o Candy Crush – o joguinho aparentemente simples que virou febre nos smartphones – que foi vendido para Blizzard por US$ 6 bilhões.

E como fazer jogos eletrônicos? O professor explicou, durante o CESAR Tech Meetups, que estamos em um processo de gamificação generalizada, que envolve, inclusive, as redes sociais, que usa “likes” com a ideia de pontuação e estimula o usuário a escolher a melhor foto, o melhor conteúdo, para que ele possa conquistar mais engajamento. “Você tem que entender que você (o criador do game) é o artista de entretenimento e que precisa de plateia”, disse aos presentes. 

CESAR no Brasil

Durante o Tech Meetups desta terça, foi apresentada a estrutura do CESAR no país: além da matriz, no Recife, o escritório em São Paulo e as unidades regionais em Curitiba (PR), Manaus (AM), Sorocaba (SP) e Rio de Janeiro. Além disso, mesmo antes da pandemia muitos colaboradores já atuavam no regime de home office – o que se estendeu para todo o time do centro enquanto durar a necessidade de isolamento social imposta pela covid-19. Para conferir as oportunidades em aberto no CESAR é só acessar vagas.cesar.org.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://www.cesar.org.br/wp-content/uploads/2018/08/IMG_9090-1.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 650px;}