Tecnologias Habilitadoras

Tecnologias Habilitadoras

DESCUBRA SEU ÍNDICE DE MATURIDADE DIGITAL
RECEBA CONTEÚDOS COM EXCLUSIVIDADE

Como saber quais combinações de componentes tecnológicos vão ser decisivas para o meu empreendimento no próximo round do jogo evolucionário?

Por Fábio Maia

Empreendimentos estão inseridos no sistema econômico e, como tal, a natureza do sistema econômico determina as condições em que eles sobrevivem e prosperam (ou definham e morrem). A palavra empreendimento é utilizada aqui no sentido de um grupo organizado de pessoas que transforma insumos (matéria, energia, informação) de um estado para outro com um propósito continuado. Exemplos de empreendimentos de acordo com essa definição incluem negócios com fins lucrativos, funções do Estado e movimentos sociais, entre outros.

A natureza da economia – fica cada vez mais claro e aceito à medida que o conhecimento científico avança – é de um sistema adaptativo complexo. Essa expressão aparentemente enigmática significa, na essência, que a economia é formada por um número enorme de agentes que interagem em diversos níveis, que as microinterações entre esses agentes produzem fenômenos em larga escala não diretamente dedutíveis a partir das mesmas, e que o sistema como um todo, os próprios agentes e as suas estratégias evoluem ao longo do tempo.

Se você ainda está confuso sobre o que isso tem a ver com você, eu te ajudo: o resultado final desse conjunto de características do sistema econômico para o seu empreendimento, seja ele qual for, é que não existe vantagem competitiva definitiva ou sustentável e o futuro é fundamentalmente imprevisível. Como em todo sistema dominado por processos evolucionários, a única opção é experimentar e se adaptar continuamente. Inovar.

Nos ecossistemas biológicos, a evolução se dá pela variação e combinação dos genes e seleção daqueles que aumentam o sucesso reprodutivo dos organismos que os carregam e, por conseguinte, sua própria difusão. Na economia, os empreendimentos são os atores que interagem com o ambiente (os “organismos”), incluindo outros empreendimentos, e sofrem a pressão seletiva daquele ambiente. E o papel dos genes que codificam as diferentes características do organismo é desempenhado nos empreendimentos por componentes de tecnologias que são combinados em um plano de negócio (ou de empreendimento) que reflete uma estratégia. Aqueles componentes tecnológicos e combinações utilizados pelos empreendimentos mais bem-sucedidos no cumprimento de seus propósitos são copiados e se difundem na economia.

Para sobreviver e crescer em um ambiente em eterna mudança é preciso no mínimo a capacidade de copiar e contextualizar rapidamente inovações de sucesso.

É importante notar que existem dois tipos distintos de tecnologia em ação no quadro descrito acima:

  1. Tecnologias físicas são os métodos e designs para transformar matéria, energia e informação de um estado para outro com objetivos específicos (ex: motor elétrico, computador, extrusora). Em suma, aquilo que estamos acostumados a chamar de tecnologia no dia a dia.
  2. Tecnologias sociais são métodos e designs para organizar pessoas em busca de objetivos específicos (ex: métodos contábeis, sociedade de responsabilidade limitada, sistema eleitoral).

A evolução dos empreendimentos na economia se dá pela criação de novos componentes tecnológicos físicos e sociais e/ou pela sua recombinação em novos padrões de plano de negócio. Aquilo que chamamos de inovação. Para sobreviver e crescer em um ambiente em eterna mudança é preciso no mínimo a capacidade de copiar e contextualizar rapidamente inovações de sucesso. Não existe vantagem competitiva definitiva, porque toda tecnologia de sucesso é copiada e se difunde.

Mas o futuro em um sistema evolucionário é imprevisível, como já dissemos. Como saber quais combinações de componentes tecnológicos vão ser decisivas para o meu empreendimento no próximo round do jogo evolucionário?

A má notícia é que você não tem como saber com certeza quais planos de negócio (combinações específicas de componentes tecnológicos físicos e sociais amarrados por uma estratégia) serão bem-sucedidos. A boa notícia é que uma heurística simples pode aumentar significativamente suas chances de sucesso.

Sua estratégia de inovação deve começar por um esforço sistemático em identificar e compreender as Tecnologias Habilitadoras o mais cedo possível no curso da sua evolução.

As tecnologias físicas e sociais podem ser de uso específico ou de propósito geral. Essas últimas são também conhecidas como Tecnologias Habilitadoras. As denominações são em grande parte autoexplicativas, mas Tecnologias Habilitadoras são aquelas tecnologias que possuem muitos usos diferentes, em múltiplas indústrias e que interagem com um grande número de outras tecnologias. Essas características fazem com que as THs tenham profundo impacto na economia e efeitos transformadores em cascata na política, na cultura e na sociedade como um todo. Exemplos de Tecnologias Habilitadoras ao longo da história incluem a domesticação de plantas e animais, a fundição de minérios, o motor a vapor, a eletricidade e o computador.

Ser um retardatário na adoção de uma Tecnologia Habilitadora é uma receita praticamente certa para a irrelevância ou até mesmo a morte do seu empreendimento. Por outro lado, aqueles que primeiro conseguem perceber o potencial de uma TH para suportar novos produtos, processos e formas de organização em seu mercado têm grandes chances de dar um salto à frente dos seus concorrentes e garantir um ciclo – anos, por vezes décadas – de desempenho acima da média.

Sua estratégia de inovação, portanto, deve começar por um esforço sistemático em identificar e compreender as Tecnologias Habilitadoras o mais cedo possível no curso da sua evolução. O que fornecem? Como podem ser utilizadas? Como estão afetando ou podem vir a afetar os negócios ou empreendimentos? THs, mais do que suas versões mais mundanas, tendem a ser introduzidas em estado muito primitivo e com enorme espaço para melhorias e desenvolvimento. Ao mesmo tempo, a frequência de surgimento de Tecnologias Habilitadoras vem acelerando ao longo da história. Como resultado combinado dessas duas tendências, você se vê atualmente em um cenário de múltiplas candidatas a Tecnologias Habilitadoras em diferentes estágios de maturidade. As buzzwords você provavelmente já conhece: Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Computação Quântica, Genômica, Realidade Virtual/Aumentada, Criptoeconomia… A lista só cresce. A grande questão é: Você as entende?

 

Fábio Maia é arquiteto de Sistemas e Gerente de Projetos com larga experiência em várias áreas de Tecnologia da Informação e Comunicações (TICs). Atualmente é líder de Engenharia de Sistemas Embarcados e Ciber-Físicos do CESAR, onde lidera há mais de 10 anos equipes de engenharia multidisciplinares no desenvolvimento de sistemas e produtos complexos com TICs.

RECEBA CONTEÚDOS COM EXCLUSIVIDADE
Image module
Participe da nossa pesquisa
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://www.cesar.org.br/wp-content/uploads/2019/03/imagem-ajuste-04.jpg);background-size: contain;background-position: top center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 650px;}